Exposições realizadas

Exposições realizadas pelo Centro de Memória Fluminense

  •  “Niterói, 420 anos: trajetória de uma cidade” (1993)

     Exposição histórica realizada na Câmara Municipal de Niterói, em novembro de 1993, durante a Feira da Cidade de Niterói, que reuniu vários eventos em comemoração ao seu 420o aniversário. Foi organizada pelo Prof. Cesar Augusto Ornellas Ramos, com material iconográfico da Coleção Carlos Mônaco.

  •  “Navegar rumo a Niterói” (1994)

     Mostra fotográfica organizada em comemoração ao 2º aniversário do Centro de Memória Fluminense. Evento inaugurado na Biblioteca Estadual de Niterói em 30 de março de 1994, onde permaneceu até 30 de abril. Apresentava 32 fotografias versando sobre a ligação regular de barcas entre as cidades do Rio de Janeiro e Niterói, durante o período de 1894 e 1964. Reunia material iconográfico oriundo da Coleção Carlos Mônaco e do Museu da Imagem e do Som.

  •  “Rio-Niterói: uma viagem de volta no tempo” (1994)

     Exposição comemorativa do 421o aniversário da fundação da cidade de Niterói. Reunia material iconográfico (fotografias da Coleção Carlos Mônaco e da então CONERJ – Companhia de Navegação do Estado do Rio de Janeiro, e quadros do pintor niteroiense Péricles Sodré), textos históricos e literários, além de equipamentos náuticos, maquetes de antigas embarcações, e um carro de combate a incêndio nas estações das barcas, de tração animal, de origem inglesa, do século XIX, peças pertencentes ao Museu da CONERJ. Organizada em três módulos: a cidade do Rio de Janeiro, a travessia das barcas e a cidade de Niterói, contou com o patrocínio da Transportadora Grajaú, FIMATGEMASE, Niterói Terminais Rodoviários (NITER) e Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Rio (SETRERJ), além do apoio da Sociedade de Amigos do Centro de Memória Fluminense (SACEM), Associação de Professores Inativos da UFF (ASPI-UFF), Companhia de Navegação do Estado do Rio de Janeiro (CONERJ), Comissão de Projetos Experimentais (COPEX/UFF) e do Instituto de Artes e Comunicação Social (IACS/UFF). Foi montada primeiramente no Terminal Rodoviário Presidente João Goulart, onde permaneceu de 21 de novembro a 12 de dezembro de 1994. Posteriormente foi remontada no Espaço Cultural CONERJ (de 13 de dezembro de 1994 a 01 de fevereiro de 1995), no SESC-Tijuca (de 06 a 30 de abril de 1995), na Biblioteca da Federação das Faculdades Celso Lisboa (de 08 a 12 de maio de 1995), na Biblioteca da Faculdade de Letras da UFRJ (de 15 de agosto a 12 de setembro de 1995), na Biblioteca B do Serviço de Educação e Humanidades da UERJ (de 02 a 31 de outubro de 1995) e, finalmente, no SESC-Niterói, em novembro de 1995. As pesquisas para a exposição resultaram em uma considerável ampliação do acervo iconográfico do CMF, pois a ele foram incorporadas as fotografias reproduzidas do acervo CONERJ especialmente para a ocasião, pelo Prof. Antonio Ribeiro de Oliveira Júnior, dando origem à Série Barcas.

  •  “Mostra do Centro de Memória Fluminense: quatro anos de atividades culturais” (1996)

     Mostra realizada em março de 1996 na Biblioteca Central do Gragoatá, comemorando os quatro anos de existência do Centro de Memória Fluminense, que incluía homenagem ao bibliotecário, professor, tradutor e escritor Xavier Placer, nascido em Niterói em 14 de outubro de 1916, e que estaria completando seu 80o aniversário naquele ano.

  • “Carnaval: um pouco de história” (1998)

     Reunindo fotografias reproduzidas dos acervos da Fundação de Artes de Niterói e do Grupo de Regatas Gragoatá, e material bibliográfico da Coleção Carlos Mônaco e da Coleção CMF, a exposição recordava antigos carnavais da cidade, trazendo uma mostra da alegria e irreverência que imperavam nas folias populares de então.
     Dividia-se em seis módulos: o primeiro reportava-se às origens do carnaval, desde o seu surgimento na Antiguidade, até sua chegada a Portugal através dos entrudos, e vinda para o Brasil durante a colonização; o segundo era dedicado ao carnaval de rua, com seus alegres grupos de foliões mascarados, banhos de mar à fantasia, blocos, cordões, etc.; o terceiro, ao carnaval aristocrático dos bailes e salões niteroienses; o quarto apresentava um breve relato sobre a música carnavalesca, com suas marchinhas e sambas; o quinto mostrava as Escolas de Samba, ponto alto dos atuais festejos carnavalescos, desde duas origens até os primeiros concursos em Niterói; e, o sexto, trazia uma bem humorada miscelânea de acontecimentos e curiosidades relacionadas ao carnaval. Sob a curadoria das bibliotecárias do Centro de Memória, Elisabete Gonçalves de Souza e Maria José da Silva Fernandes, a exposição foi inaugurada no Espaço Aberto UFF, ao som de “Ó abre alas”, de Chiquinha Gonzaga, onde esteve de 18 de fevereiro a 13 de março de 1998. Foi remontada na Biblioteca Central do Gragoatá entre 16 de março e 15 de abril do mesmo ano, e posteriormente foi emprestada ao SESC-Tijuca.

  •  “Eles escolheram Niterói: Nóbrega de Siqueira e Cláudio Tarquino” (1998)

     Primeira exposição realizada pelo Centro de Memória Fluminense com o apoiodo Centro Comunitário e do Programa de Coleta Seletiva de Lixo do Bairro de São Francisco, foi inaugurada no próprio Centro, onde esteve pelo período de 20 de novembro a 21 de dezembro de 1998.

     A exposição homenageava dois “niteroienses” adotivos: o paulista Nóbrega de Siqueira (1905-1986) e o italiano Cláudio Tarquino (1910-1998). O primeiro, poeta, contista, cronista e jornalista; o segundo, presidente por várias gestões do Centro Comunitário de São Francisco, colecionou conquistas importantes para o bairro e a cidade. A exposição contemplava aspectos da vida profissional e pessoal de cada um
deles, e reuniu, em pequena ambientação, os livros da Coleção Nóbrega de Siqueira, doados ao Centro de Memória, e a escrivaninha de Cláudio Tarquino. Na ocasião foi lançado o“Catálogo da Coleção Nóbrega de Siqueira”.

  •  “Eu amo Niterói: poetas e trovadores declaram seu amor à cidade” (1999)

     Realizada em comemoração ao Dia da Poesia, a mostra foi inaugurada em 15 de março de 1999, no próprio Centro de Memória Fluminense.
Com a finalidade de divulgar o acervo literário do Centro, reuniu trovas, poesias, crônicas, romances e literatura de cordel cujo assunto era Niterói, além de expor livros de autores niteroienses, e antologias com vencedores de concursos de trova e poesia realizados na cidade. Posteriormente foi emprestada ao SESC-Niterói, por ocasião do Festival de Poesia ocorrido em agosto de 1999, além de ter subsidiado várias Oficinas e outras atividades literárias realizadas por professores da UFF.

  •  “Para que nada se perca: o Programa de Coleta Seletiva de Lixo da UFF” (1999)

     Exposição comemorativa dos 14 anos do Programa de Coleta Seletiva de Lixo do Bairro de São Francisco, realizada Centro de Memória Fluminense em junho/julho de 1999, sob a curadoria do Prof. Emílio Eigenheer, coordenador do Programa desde a sua criação.
     A mostra reunia cartazes, folhetos, cartilhas, artigos e outros materiais de divulgação ligados ao projeto, além de apresentar, através de fotografias e textos, as diversas etapas da coleta, seleção e reaproveitamento do lixo no bairro, e os resultados alcançados.

  •  “Navegar é preciso: uma breve história da indústria naval em Niterói” (1999)

     Realizada em parceria com a Escola Técnica Estadual Henrique Lage (ETHEL), e com o apoio do McDonald’s Carrefour-Manilha, foi inaugurada primeiramente na referida Escola (05 jul./ago. 1999) e depois trazida para o Centro de Memória Fluminense (17 ago./nov. 1999).
     Em ambas as inaugurações o Prof. e historiador Cesar Augusto Ornellas Ramos proferiu a palestra “Memória da construção naval na Baía de Guanabara”, publicada pelas duas instituições, em trabalhos independentes. Reunindo material bibliográfico e iconográfico do acervo do Centro de Memória e fotografias e entrevistas colhidas pelos alunos da ETHEL em visitas aos estaleiros da cidade, a exposição registrava a história da indústria naval na cidade, apresentando-a em quatro módulos: as barcas, o porto, os estaleiros, e um panorama da atualidade da construção naval. Foi remontada no Clube Português de Niterói, por ocasião do chá beneficente oferecido pelo “Nosso Grupo” ao Centro de Memória Fluminense, em 26 de setembro de 2002, quando a Profa. Ismênia de Lima Martins proferiu palestra sobre o assunto.

  • “Niterói: monumentos coloniais nas paisagens de hoje” (2002)

     Realizada pelo Centro de Memória e sua Sociedade de Amigos, em comemoração aos 10 anos do Centro, foi inaugurada em 25 de março de 2002, sob a curadoria do Prof. Cesar Augusto Ornellas Ramos e patrocínio do Centro Comunitário de São Francisco e da Livraria Romanceiro. Na inauguração foi proferida palestra sobre o assunto, pelo referido professor.
     Com o objetivo de chamar a atenção dos cidadãos niteroienses para os vestígios de seu passado através da observação dos monumentos coloniais sobreviventes nas paisagens da atualidade, a exposição contemplava as seguintes construções do patrimônio histórico colonial da cidade: Armação das Baleias, Capela de São Lourenço dos Índios, Capela de São Francisco Xavier, Fortaleza de Santa Cruz, Forte de Gragoatá, Forte de São Luís ou do Pico, Capela de Santa Rosa do Viterbo, Posto de Atalaia da Viração, Capela de N. S. da Boa Viagem, Recolhimento de
Santa Teresa, Capela de São Sebastião de Itaipu, Capela de N. S. da Conceição, Capela de São Pedro de Maruí, Casa Grande da Fazenda do Malheiro e o Palacete de São Domingos, único monumento já desaparecido.
      Em 08 de outubro do mesmo ano foi lançada pela Imprensa Oficial do Estado do Rio de Janeiro e pela SACEM a publicação “Niterói: monumentos coloniais nas paisagens de hoje”, de autoria do Prof. Cesar Augusto Ornellas Ramos, que registra todos os textos e imagens utilizados na exposição, parceria editorial conseguida graças à intervenção direta do bibliotecário João Carlos Gomes Ribeiro.

  •  “Divaldo de Aguiar Lopes, um observador da cidade: Niterói em imagens e crônicas” (2002)

     Inaugurada em 08 de outubro de 2002, no próprio Centro de Memória, reunia as crônicas de Divaldo de Aguiar Lopes, pertencentes à coleção CMF, e suas fotografias e postais, pertencentes à coleção Carlos Mônaco. Montada com o apoio da SACEM e do Centro Comunitário de São Francisco, sua abertura foi acompanhada de palestra do Prof. Cesar Augusto Ornellas Ramos. Integrou a programação cultural da Prefeitura da Cidade de Niterói, comemorativa dos 429 anos da cidade.
     Em 27 de março de 2003 foi lançado o primeiro número da série Cadernos do Centro de Memória Fluminense, pela SACEM, publicando o trabalho de Divaldo “A ligação marítima entre Niterói e o Rio de Janeiro”, com introdução, notas e glossário do Prof. Cesar Augusto Ornellas Ramos.

  •  “Itaboraí: paisagens, monumentos, cultura” (2003)

     Exposição em homenagem aos 170 anos de fundação do município de Itaboraí, realizada sob a curadoria do Prof. Cesar Augusto Ornellas Ramos, com o apoio do Centro Comunitário e do Programa de Coleta Seletiva de Lixo do Bairro de São Francisco.
     Organizada em quatro módulos: paisagens urbanas, aspectos ambientais, monumentos históricos e personalidades, reuniu antigas imagens do município de Itaboraí da década de 20, registradas pelo fotógrafo Augusto Malta, e vistas aéreas da cidade na década de 70 e na atualidade.
     No módulo monumentos históricos foram contempladas as fazendas do século XIX, o importante conjunto arquitetônico composto pelas edificações da Praça Marechal Floriano Peixoto, antigo Largo da Matriz, destacando-se a Igreja de São João Batista, o Palacete do Visconde de Itaboraí (onde hoje funciona a Prefeitura), a Casa da Câmara e Cadeia, o Teatro Municipal João Caetano e a Casa de Cultura Heloísa Alberto Torres, além de aspectos do sítio histórico e arqueológico da Vila de Santo Antônio de Sá, fundada em 1697 e desaparecida em virtude das epidemias de malária e cólera-morbus. Entre os seus vestígios destacam-se as ruínas do Convento de São Boaventura, erguido entre 1660 e
1788.
     O último módulo reuniu obras, imagens e biografias de itaboraienses ilustres, entre eles o dramaturgo João Caetano (1808-1863), o estadista Joaquim José Rodrigues Torres, Visconde de Itaboraí (1802-1872), o romancista Joaquim Manoel de Macedo (1820-1882), o diplomata Salvador de Mendonça (1841-1913) e o sociólogo Alberto de Seixas Martins Torres (1865-1917). Foi inaugurada em 21 de maio de 2003, no Centro de Memória Fluminense, ocasião em que o Prof. Cesar Augusto Ornellas Ramos proferiu palestra sobre o município de Itaboraí, e foi lançado o segundo número dos Cadernos do Centro de Memória Fluminense.

  •  “Niterói: monumentos imperiais nas paisagens de hoje” (2003)

     Exposição alusiva aos 430 anos de fundação da cidade de Niterói, cuja pesquisa e curadoria estiveram a cargo do historiador Cesar Augusto Ornellas Ramos, foi inaugurada em 03 de dezembro de 2003, no Centro de Memória, acompanhada de palestra do curador e do lançamento do terceiro número da série Cadernos do Centro de Memória Fluminense.
     Fizeram parte da exposição os seguintes monumentos: Catedral de São João Batista, Igreja Matriz de São Lourenço da Várzea, Asilo Santa Leopoldina, Hospital Marítimo de Santa Isabel, Palacete da Soledade, Solar do Jambeiro, Solar do Barão de São João de Icaraí, Palacete do Governo Provincial, Colégio Salesiano Santa Rosa, Teatro de Santa Teresa, Estaleiro da Ponta da Areia, Hospital de São João
Batista e Forte Imbuí. Objetivando estimular o olhar dos niteroienses para os prédios remanescentes do período imperial na cidade, registrava ainda as visitas de D. João VI e dos Imperadores D. Pedro I e D. Pedro II, e a elevação de Niterói à categoria de Imperial Cidade, capital da Província do Rio de Janeiro.

  •  “Fortes da Banda d’Além: Niterói na defesa da Baía de Guanabara” (2004)

     Fruto da parceria entre a Diretoria de Assuntos Culturais do Exército Brasileiro, o Centro de Memória Fluminense e sua Sociedade de Amigos, foi realizada sob o patrocínio do Grupo MPE e com o apoio do Grupo Alfa, tendo sido inaugurada no dia 04 de maio de 2004, na Fortaleza de Santa Cruz, e um mês depois remontada no Centro de Memória.
     Reuniu significativo material iconográfico (especialmente os mapas de defesa da Baía de Guanabara), textos sobre a história desses monumentos militares, além de mostra fotográfica de Luiz Anciães.
     Na ocasião foi lançado novo volume dos Cadernos do Centro de Memória, o quarto da série, reunindo os trabalhos dos Profs. Cesar Augusto Ornellas Ramos e Adler Homero Fonseca de Castro.

  •  “Igrejas católicas de Niterói” (2005)

     Exposição realizada pelo Centro de Memória e sua Sociedade de Amigos, em parceria com a SACROTUR/Paróquia de São Lourenço, sob a curadoria do Dr. Júlio Cesar Ricart . Financiada pela UNIMED Niterói - São Gonçalo, SACEM e pelo Centro Comunitário de São Francisco, reuniu fotografias de 81 igrejas e capelas da cidade, desde as matrizes até as pequeninas capelas comunitárias de bairros da periferia. Tratava-se na realidade, de um inventário dos templos católicos de Niterói. Além das fotografias foram exibidos livros e outros objetos religiosos (terços, medalhas, santinhos, etc.) preservados através do Programa de Coleta Seletiva de Lixo do Bairro de São Francisco, em projeto denominado “Resíduos e Memória”, comemorativo dos 20 anos do Programa.
     A exposição foi acompanhada do lançamento do quinto número dos Cadernos do Centro de Memória Fluminense, que dessa vez foi editado pelo “Jornal de Icaraí” e “A Tribuna”, com reprodução de reportagens que haviam sido publicadas anteriormente sobre o assunto, no “Jornal de Icaraí”. Inaugurada em 28 de março de 2005, na Biblioteca Central do Gragoatá, contou com bela cerimônia religiosa oficiada por Monsenhor Elídio Robaina, pároco da Igreja Matriz de São Lourenço da Várzea.

  • “Niterói: monumentos republicanos nas paisagens de hoje” (2005)

     Inaugurada no dia 20 de junho de 2005, sob a curadoria e com palestra do Prof. César Ornellas sobre o assunto, e lançamento dos números 6e 7 da série Cadernos de memória Fluminense. Com essa exposição completou-se a trilogia iniciada com os monumentos do período colonial e imperial, onde procuramos aborda-los como indicadores d construção de identidades sociais em diferente épocas.

  •  “Construção Naval: memórias de Niterói” (2005)

     O Centro de Memória Fluminense participou da “Feira e Conferência Internacional de Tecnologia Naval e Offshore” (FENASHORE), realizada em Niterói, no Caminho Niemeyer, de 19 a 25 de setembro de 2005, com a exposição “Construção Naval: memórias de Niterói”, que foi montada no estande da UFF. A exposição, realizada em parceria com o NUCS e o Escritório de Transferência de Conhecimento (ETCO/PROPP), reuniu material iconográfico do acervo do Centro de Memória Fluminense e textos e legenda do Prof. César Augusto Ornellas, registrando a história da construção na cidade, apresentando-a em três módulos: as barcas, o porto e os estaleiros.

  •  “Mostra Livros Infantis: acervo CMF” (2006)

     Em alusão ao Dia Nacional do Livro Estudantil, o Centro de Memória Fluminense organizou uma exposição com livros infantis de seu acervo, que pode ser visitado durante todo o mês de abril de 2006. Nela encontram-se livros infantis do início do século, como os clássicos do macaense Figueiredo Pimentel (Contos da Carochinha – 1984; Histórias da Baratinha -1896), publicados pela Livraria Quaresma, e alguns originais da série
Bibliotheca Infantil, dirigida pelo Prof. Arnaldo de Oliveira Barreto, que atingiu mais de cem volumes e foi seguramente uma das mais populares do país. O destaque foi o opúsculo de Monteiro Lobato “Jeca Tatuzinho”, distribuído na década de 20 nas escolas brasileiras pelo Biotônico Fontoura, e brás infantis escritas por autores fluminenses.

  •  “Resíduos & Memória” (2006)

     Organizada pelo Programa de Coleta Seletiva de Lixo do Bairro de São Francisco e pelo Centro de Memória Fluminense, a exposição teve o objetivo de trazer a público o trabalho de resgate de materiais de importância para a cultura e a memória, notadamente a fluminense, realizado pelo Programa. Livros, revistas, mapas, selos, moedas, cartões-postais, objetos religiosos, etc. fizeram parte dessa mostra, idealizada para o Seminário de lançamento do Projeto Resíduos & Memória, apoiado pelo CNPq. Comemorando a Semana do Meio Ambiente, a exposição “Resíduos & Memória” esteve durante todo o mês de junho de 2006 no Centro de Memória Fluminense. Acompanhando a exposição, foi lançado o oitavo número da série Cadernos do Centro de Memória Fluminense.

  •  “Faces: Gilberto Emílio Chaudon” (2006)

     Inaugurada em 14 de setembro de 2006, foi realizada em parceria com o filho do homenageado, Henrique Augusto Chaudon. A mostra, comemorativa do centenário de nascimento do Prof. Gilberto Emílio Chaudon, contava com um acervo detalhado sobe sua vida familiar e profissional: documentos e fotos pessoais e quadros de sua autoria. Naquela data também foi lançada a primeira edição do Catálogo da Coleção Emílio Chaudon e oficializada a doação do acervo à Sociedade de Amigos do Centro de Memória Fluminense através do Termo assinado por sua
viuva, Dona Gláucia Martins Chaudon.

  • “Mostra Autores Fluminenses, 1881-1850” (2007)

     Mostra organizada em novembro de 2007, sobre os autores fluminenses nascidos entre 1811 e 1850. Foram expostos exclusivamente materiais pertencentes ao Centro de Memória. A mostra foi incluída na programação da Agenda Acadêmica 2007.

  •  “Mostra Imprensa Fluminense” (2008)

     Organizada em comemoração aos 200 anos de imprensa no Brasil, a mostra trouxe livros importantes para o estudo da história da imprensa brasileira, e exemplares de revistas e jornais publicados no Estado do Rio de Janeiro, pertencentes ao acervo do Centro de Memória. Entre eles destacaram-se “Museo Pittoresco, Histórico e Litterario”, revista de variedades que circulou em meados do século XIX; o jornal “A Lanterna”, redigido por Júlio Pompeu de Castro e Albuquerque, com seu número especial dedicado a Niterói (1904); as revistas “Grande Hotel” e “Encanto”, que trouxeram as primeiras fotonovelas na segunda metade da década de 1940 e os primeiros números do tablóide “O Pasquim”, pioneiro na oposição do regime militar no Brasil.
     Acompanhando a mostra foi lançado o nono número da série Cadernos o Centro de Memória Fluminense, contendo exaustivo levantamento das fontes disponíveis no nosso acervo para o estudo da imprensa no Brasil, e em especial nas cidades fluminenses, além do catálogo de periódicos, reunindo diversas coleções.

  •  “Mostra A Exposição Nacional de 1908” (2008)

     Mostra comemorativa dos 100 anos da Exposição Nacional de 1908. Foi inaugurada no Centro de Memória Fluminense, expondo o material iconográfico da Coleção Carlos Mônaco e livros do acervo relacionados com a exposição.

  •  “Lourenço de Araújo: poeta, boêmio, militar (2009)

     Inaugurada em setembro de 2009 no Centro de Memória Fluminense, sob a curadoria do Prof. Emílio Maciel Eigenheer, foi fruto da parceria entre o CEMEF e o Centro Comunitário de São Francisco. Reunia 12 painéis e cinco vitrines onde forma expostos documentos e livros raros da Coleção Lourenço Araújo.
     A exposição teve com desdobramento uma reunião com O Cenáculo Fluminense de História e Letras em 27 de novembro do mesmo ano, onde foram apresentados aos cenaculistas presentes detalhes da fundação do Cenáculo sob a ótica de Lourenço de Araújo, curiosidades sobre o Café Paris e seus freqüentadores, além da distribuição de CD-ROM com as imagens da exposição e o catálogo da Coleção
Louenço de Araújo. Ainda como decorrência deste trabalho inicial, no ano seguinte foi publicada a obra cuja referência segue abaixo, onde encontram-se reproduzidas as imagens da exposição.

EIGENHEER, Emílio Maciel. Lourenço de Araújo: boêmio e poeta: notas sobre o
Café Paris, o Cenáculo Fluminense de História e Letras e a Revista Noite e Dia. Rio
de Janeiro: In-Fólio, 2010. 68 p. il. (Série Boêmios do Café Paris, 1).

  •  “Mostra Nelson Pereira Rebel” (2011)

     Inaugurada em 10 de maio de 2011 no Centro de Memória Fluminense, com livros, fotos e documentos da Coleção Nelson Pereira Rebel. Na coleção foi lançado o 15° número da série Cadernos do Centro de Memória Fluminense.

  •  “Mostra João Francisco de Almeida Brandão Junior” (2012)

     Em setembro de 2010, o Centro de Memória Fluminense recebeu os documentos do prefeito niteroiense João Francisco de Almeida Brandão Junior, lá chegados graças à sensibilidade e ao zelo dos colegas da Biblioteca de Rio das Ostras. A divulgação da notícia no site da UFF e na imprensa, renderam, na ocasião, alguns contatos com os familiares do antigo prefeito.
     A coleção, composta por documentos pessoais, correspondências, alguns livros e fotografias de Brandão Júnior, reunia ainda documentos e anotações de alguns outros parentes, e de sua segunda esposa, Inayá de Morais. Na coleção foi lançado o 16° número da série Cadernos do Centro de Memória Fluminense.

  •  “Mostra Divaldo de Aguiar Lopes: Niterói em imagens e crônicas”. (2014)

     A mostra reuniu fotografias, cartões postais, artigos de jornais e revistas pertencentes ao acervo da Coleção Centro de Memória Fluminense – Série Divaldo de Aguiar Lopes.

  •  “Exposição José Maria Campos Nascimento (in memoriam): um artista e sua arte” (2015)

     Em setembro de 2015 foi inaugurada no Centro de Memória Fluminense a Exposição José Maria Campos Nascimento (in memoriam): um artista e sua arte, com o apoio da Associação de Professores Inativos da Universidade Federal Fluminense (ASPI-UFF) e de sua filha Adriane Russo Campos Nascimento. A exposição foi composta por 35 livros e um curriculum vitae confeccionado pelo próprio em forma de álbum, encadernado artesanalmente com parte dos seus trabalhos desenvolvidos ao longo dos anos. Todo esse material foi doado para o CEMEF e compõe a Coleção José Maria Campos Nascimento, todas as publicações têm suas capas, artes criadas pelo Professor quando dedicou seus trabalhos no setor de programação visual na Editora da Universidade Federal Fluminense (EDUFF). A exposição reuniu também cartazes, desenhos, pinturas, aquarelas, poliedros, pagodes em madeira e tecido, misturando os mais variados materiais e técnicas.

  • “Exposição 30 anos de Coleta Seletiva”. (2016)

     A exposição "30 anos de coleta seletiva" chegou ao Centro de Memória Fluminense (CEMEF) em fevereiro de 2016, depois de ter passado pelo Solar do Jambeiro. Através de uma parceria entre o Professor Emílio Eigenheer e o CEMEF, reúne imagens raras e curiosas sobre o cotidiano da cidade de Niterói e informações sobre o projeto de coleta seletiva ao longo desses 30 anos de atividade, no bairro de São Francisco Niterói.
     Com curadoria do professor Emílio Eigenheer e da bibliotecária Maria José Fernandes, através de imagens e objetos, a mostra comemora e é resultado da implantação do primeiro projeto de coleta seletiva no Brasil, no bairro de São Francisco em Niterói, em 1985, fruto de uma parceria entre o Centro Comunitário de São Francisco (CCSF) e a Universidade Federal Fluminense (UFF).